Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

Conteúdo

Conduzindo uma nova edição de um dos modelos mais vendidos da marca francesa

A primeira geração do Renault Captur assumiu uma posição digna como um best-seller na popular classe de pequenos modelos SUV. O novo modelo é construído em uma plataforma de alta tecnologia e sua aparência atraente tornou-se mais sólida.

Um artigo que começa com a frase "este modelo é muito melhor do que seu predecessor" é talvez a coisa mais mundana que você pode ler. No caso do Renault Captur, no entanto, esta ainda é uma afirmação muito apropriada, dado o fato de que a segunda geração é baseada na nova plataforma de carros pequenos CMF-B.

Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

Este último é muito mais moderno, mais leve e mais durável que o Renault-Nissan B-plataforma, que albergava não só o Captur anterior, mas também o Renault Clio II, III e IV e ainda é produzido pela Dacia Duster.

No entanto, o modelo anterior apresentado em 2013 é por si só uma boa base para uma nova geração, pois conseguiu se tornar um best-seller na Europa (em 2015 ocupou o 14º lugar entre os carros mais vendidos do Velho Continente) - não só porque o pequeno mercado de SUV e os crossovers cresceram rapidamente, mas também porque ele conseguiu capturar o sentimento do cliente por meio da nova estratégia estilística de Lawrence van den Acker.

O Captur se tornou um modelo global quando as versões chinesa e russa (Kaptur), brasileira e indiana (produzidas em seus respectivos países) apareceram com esse nome e em estilo semelhante - as últimas três com distância entre eixos um pouco maior e transmissões duplas, baseadas na plataforma B0.

Conexão francesa

O estilo da segunda geração mantém as nuances gerais de seu antecessor, mas agora incorpora novos truques no design da Renault - com muito mais precisão, detalhes e formas nítidas.

🚀Mais sobre o assunto:
  Teste: Kia Picanto 1.2 MPI EX Style

Captur II tem autoconfiança suficiente para jogar fora o charme de seu antecessor e substituí-lo por um mais arrogante. Os faróis apresentam o padrão já característico da Renault, uma reminiscência de uma rápida pincelada de um artista, apresentando as reconhecíveis luzes diurnas de LED.

Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

Um toque semelhante pode ser encontrado na forma das luzes traseiras, e todas as outras formas seguem o mesmo grau de dinâmica. Quer o telhado seja pintado em qualquer uma das quatro cores complementares, ele constitui um elemento distinto e altamente dinâmico. Captur oferece aos seus clientes 90 combinações de cores de carroceria e faróis de LED.

As apostas para um carro com essa aparência são muito altas, pois hoje em dia um em cada cinco carros da Renault vendido leva o nome de Captur. Este pequeno modelo oferece uma das gamas de assistência ao condutor mais completas, com controlo da velocidade adaptativo, assistência de travagem ativa, aviso de saída de faixa e muito mais.

O interior também tem um nível de desempenho muito superior com acabamento de precisão e materiais de qualidade. Como o Clio, o Captur oferece um painel de instrumentos digitais de 7 '' a 10,2 '' com configurações opcionais e uma tela central de 9,3 '' foi adicionada como parte do sistema de infoentretenimento Renault Easy Link.

Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

O design interior mostra claramente que o veículo é voltado para os jovens com uma escolha excepcional de materiais e cores. E a combinação de elementos da típica cor laranja e inserções têxteis laranja, que criam uma sensação de volume, é realmente encantadora.

A escolha também inclui diesel

Uma das grandes vantagens do pequeno Captur é a escolha de uma ampla gama de atuadores. Os fatores de gestão da Renault merecem admiração por esta decisão, pois em um tempo de unificação e menores custos de produção, eles poderiam facilmente ter deixado apenas o motor básico de três cilindros a gasolina e a versão híbrida na linha.

🚀Mais sobre o assunto:
  Agência Nissan Micra 1.2 16V

Afinal, o Captur é basicamente um citadino, e o motor em questão tem 100bhp. e 160 Nm de torque é suficiente para dirigir. Este motor de injeção do coletor de admissão difere da unidade Nissan Juke e é baseado no motor de 0,9 litros anterior.

Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

A linha inclui ainda um motor turbo a gasolina de 1,3 litros e quatro cilindros com injeção direta em duas variantes com 130 cv. (240 Nm) e 155 cv. (270 Nm). E na classe, onde agora é possível prescindir do motor diesel, estão à disposição dos clientes duas versões do 1.5 Blue dCi - com capacidade de 95 cv. (240 Nm) e 115 cv. (260 Nm), cada um com um sistema SCR.

O motor básico está equipado com uma transmissão manual de 5 velocidades; para a versão a gasolina de 130 cv e um motor diesel de 115 CV. Além de uma transmissão manual de seis velocidades, uma transmissão de dupla embreagem de sete velocidades também está disponível e para a unidade mais potente é padrão.

Interpretação híbrida

Para os entusiastas da e-mobilidade, existe também uma versão híbrida plug-in com bateria de 9,8 kWh, motor de tração principal e um menor usado apenas para ligar o motor de combustão interna principal.

Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

Embora haja muito poucas informações sobre o sistema, um exame mais atento dos escassos dados revela uma arquitetura não convencional para a qual os engenheiros da Renault têm mais de 150 patentes. O motor de tração não está localizado do lado do motor, mas fora da caixa de câmbio, e esta não é automática, mas se assemelha a uma transmissão manual.

Não há embreagem e o carro sempre dá partida no modo elétrico. Por causa dessa solução, um motor de partida também é necessário, mas quando a eletricidade está funcionando, o torque do motor elétrico não passa pela transmissão. O motor de combustão interna é aspirado naturalmente (provavelmente para ser capaz de operar no ciclo de Atkinson, mas também para manter os custos baixos).

🚀Mais sobre o assunto:
  Test drive Renault Arkana

Isso torna a transmissão mais fácil em termos de torque. A variante híbrida, chamada E-TECH Plug-in, pode viajar até 45 km em modo elétrico puro e seus motores elétricos são mais potentes que o sistema híbrido Clio. Uma versão de gás liquefeito é esperada em breve.

Este último terá que esperar um pouco. No teste em quase as mesmas condições de direção, incluindo cidade, subúrbio e rodovia, a versão a diesel de 115 cv consumiu cerca de 2,5 l / 100 km menos combustível do que a gasolina 130 cv (5,0 contra 7,5 l / 100 km).

Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

Em ambos os casos, a inclinação da carroceria está dentro de limites aceitáveis ​​e, em geral, o carro apresenta um comportamento equilibrado entre conforto e dinâmica. Se você dirige principalmente na cidade, também pode fazer um upgrade para um motor a gasolina mais barato.

Para viagens mais longas, as versões diesel são as mais adequadas, oferecidas a preços muito razoáveis. O sistema avançado de infoentretenimento oferece controle na ponta dos dedos, a navegação no mapa da TomTom é intuitiva e a tela superior oferece melhor visibilidade.

Conclusão

Um novo estilo com formas mais dinâmicas, uma plataforma nova e mais moderna, uma ampla gama de mecanismos de acionamento e uma rica paleta de cores são a base para o sucesso contínuo do modelo.

ARTIGOS SIMILARES
Pagina principal » Passeio de teste » Test drive Renault Captur: céu laranja, mar laranja

Adicionar um comentário